Segundo um comunicado enviado à agência Lusa, a Gestmin SGPS Holding familiar de Manuel Champalimaud "alienou a sua posição de 34,6% na ONI SGPS à Altice", que também detém a Cabovisão. "Nesta transação integralmente liderada pela Gestmin, no quadro do Acordo de Acionistas, o seu parceiro Riverside, foi obrigado a vender também a posição acionista detida de 65,4%", frisa o comunicado do conselho de administração daquela empresa, sem avançar o montante final da operação.

A decisão tomada pela Gestmin, sublinha o documento, "toma como referência, quer o movimento de consolidação do setor de telecomunicações, quer a sua opção estratégica de concentração do investimento nos setores de energia e portuário, a par da diversificação para outros mercados". Na sexta-feira, a agência Lusa já tinha avançado que havia um princípio de acordo entre a Altice e os acionistas da Oni para a compra desta operadora por um valor que rondaria os 82 milhões de euros, montante que poderia eventualmente ser acertado entre os 80 e os 90 milhões de euros, cerca de metade do valor de propostas de aquisição que aquela empresa chegou a receber no passado, segundo avançaram responsáveis do setor. A Lusa noticiou também que existiam ainda "questões contratuais, processuais, regulatórias e concorrenciais" que teriam de ser acertadas.

Os acionistas da Oni, liderada por Pedro Morais Leitão e especializada em Redes de Nova Geração, tinham até sexta-feira para se entenderem quanto à proposta de compra apresentada pela Altice, detentora do maior operador francês de Cabo, a Numericable. O processo já se arrastava há vários meses, desde outubro, depois de o fundo francês Altice, fundado entre outros por Armando Pereira, de ascendência portuguesa, ter esbarrado nas divergências existentes entre os dois maiores acionistas da empresa que detém a Oni - a Winreason -, que por sua vez é detida pela The Riverside Company e a Gestmin SGPS.

Após a aquisição da operadora de televisão por subscrição Cabovisão, em fevereiro do ano passado, por 45 milhões de euros à canadiana Cogeco, a Altice conseguirá com a compra da Oni a entrada no mercado empresarial, o alargamento da cobertura dos seus serviços a nível nacional, assim como a evolução para serviços de comunicações móveis, através da conversão da licença de wimax (acesso de banda larga), que a Oni tem, em licença de LTE (Long Term Evolution), ou seja, a quarta geração móvel, como explicaram responsáveis do setor. Também em declarações anteriores à agência Lusa, o diretor-geral da Cabovisão, João Zúquete da Silva, tinha já admitido a possibilidade de a operadora de telecomunicações passar a incluir na sua oferta o serviço de comunicações móveis.

Fonte: Económico

Categorias: , ,

1 comentário:

  1. http://www.destakes.com/redir/500e1abadbe56c5df12100125065dd5c

    Zeinal Bava deixa presidência da PT

    ResponderEliminar

MEO
NOS
TDT
Comentários
Comentários