A Euronews vai abrir a primeira redação fora do seu 'quartel-general', em Lyon, e escolheu Atenas para a sua localização, uma iniciativa que surge à cabeça de 20 projetos revelados em antecipação do vigésimo aniversário do canal.

Michael Peters, presidente executivo do canal europeu de notícias, sublinhou, numa videoconferência a partir de Paris, que o canal vai nos próximos anos acentuar um posicionamento "glocal" - que combina a abordagem noticiosa global, com um noticiário de proximidade produzido quer por redações próprias nos países onde a Euronews está implantada, quer por parceiros locais - e essa estratégia irá concretizar-se com a abertura de uma redação da Euronews na capital grega já em dezembro e uma segunda em Budapeste, Hungria, no primeiro trimestre de 2013.

Os projetos grego e húngaro serão suportados financeiramente pela Comissão Europeia. A redação grega da Euronews terá 30 jornalistas e uma dezena de técnicos e administrativos e o serviço será difundido na TDT da Grécia e Chipre, estando ainda acessível através da Internet à comunidade grega espalhada pelo mundo. Em relação ao projeto húngaro, os profissionais para a redação em Budapeste começarão a ser recrutados este mês, anunciou a Euronews.

Além destas duas redações, a Euronews anunciou a abertura de escritórios em Washington, Istambul e Dubai, capitais que se juntam a uma rede que conta já com estruturas semelhantes em Bruxelas, Cairo, Doha, Kiev, Londres, Moscovo, Paris e Roma.

Outra das novidades anunciadas pelo presidente da Euronews foi a criação de uma rádio "online", lançada em seis línguas - inglês, francês, alemão, espanhol, italiano e russo -, naipe que será alargado nos próximos meses e incluirá o português. A rádio, de caráter sobretudo noticioso, aproveitará fundamentalmente os conteúdos da estação de televisão, mas dá também espaço à música e entretenimento.

Também confirmada foi a transição da atual redação da estação, onde trabalham diariamente 18 jornalistas portugueses e outros tantos colaboradores portugueses ocasionais, para o novo edifício da Euronews, ainda em construção, que estará concluído em 2014. Além da mudança de localização o canal vai sofrer uma alteração de imagem quer do logótipo, quer da identidade gráfica. "É quase um lifting!", ri-se o diretor-geral.

As outras apostas do canal passam pelo mundo das aplicações para telemóveis inteligentes e TVs conectadas, reforço de projetos editoriais, criação de uma rede social e aprofundamento de parcerias, como as que foram dadas como exemplo: com a ABC para a cobertura das eleições presidenciais nos Estados Unidos; com a Band News, proprietária da Bandeirantes; ou com o título italiano La Repubblica no segmento da Internet.

A Euronews emprega atualmente 883 pessoas, mais de metade jornalistas, e está a recrutar mais uma centena de profissionais, de acordo com Peters. O canal é atualmente emitido em 11 línguas, entre as quais o português - e é visto por 15 milhões de pessoas em 155 países.

Em Portugal, a estação chega a 3 487 lares e reclama a liderança com 11 por cento do universo de 820 mil consumidores de noticiários internacionais distribuído no cabo, logo seguido pela Sky News, com 9,2 por cento, e pela CNN, com 8,6 por cento, segundo dados da EMS, divulgados pela Euronews.

Questionadas pela Lusa sobre a parceria renovada recentemente com a RTP, que entrará em vigor em fevereiro de 2013, fontes oficiais da Euronews escusaram-se a adiantar quaisquer informações, justificando, entre outras razões, pelo facto da televisão pública portuguesa ter mudado há dias de administração.

Fonte: i e JN

Sem comentários:

MEO
NOS
TDT
Comentários
Comentários