Star Entertainment TV, assim se intitula o projeto televisivo que será inaugurado em julho em diversas plataformas como Internet, telemóveis, tablets e TV paga. De carácter "generalista", tal como frisou António Murteira da Silva, responsável financeiro do canal, o Star TV assume-se como "a primeira cooperativa de media do país", enfatiza.

Para erigir esta empreitada, juntaram-se vários profissionais de meios diversos, da imprensa, à rádio, contrariando assim, diz António Murteira da Silva, "o mito de uma classe desunida". O investimento no canal é de origem "privada e independente", não estando ligado a qualquer empresa de comunicação social, assegura o responsável, preferindo não detalhar se foram injetados ou não capitais próprios e escusando-se ainda a revelar números.

No que diz respeito ao futuro alojamento na oferta de tv paga nacional, o responsável adianta que estão numa fase "de conversações com os principais serviços televisivos", sendo que é com o MEO, da PT, que as negociações estão mais avançadas. Para já, são cerca de 20 os programas previstos, "de produção exclusivamente nacional", para integrar a grelha da estação de entretenimento, que será financiada através de publicidade.

"Olhar Clínico", "Em Defesa do Consumidor", "Agenda", "Em Busca da Verdade", "Estórias com História", "Vamos a Contas", "SportOn", "Reciclar para Criar" ou "Sem Papas na Língua" integram o leque de formatos que irão preencher a oferta do canal. Quanto à contração do mercado, António Murteira da Silva comenta que "a conjuntura económica" não constitui entrave, pelo contrário, assevera, "é nos momentos de crise que nascem os grandes projetos". O Star Entertainment TV está vocacionado para um público-alvo que vai "dos 7 aos 77 anos", enaltece ainda o responsável pelo departamento financeiro. A coordenação comercial do canal está a cargo de Rui Costa, a de conteúdos cabe a Paula Martín da Silva e a área de produção a Ana Rita Soares. O canal, saliente-se, tem como principal missão "a divulgação de todas as formas de expressão artística e/ou criativa, informação, tendências de moda e beleza, gastronomia, destinos e viagem, cultura (em todas as suas formas de expressão), empreendedorismo, saúde, desporto e demais temas, sob a forma de reportagens e entrevistas pautando-se pela isenção, rigor objetividade e elevada qualidade".

Questionado sobre se o projeto já tinha sido autorizado ou se aguardava autorização da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), António Murteira da Silva responde que "o Star TV, obviamente, está em conformidade com o disposto no Decreto – Lei N.º 8/2011, de 11 de Abril, para que possamos operar." Aliás, tal como a cooperativa de media, "que tem precisamente o nome de Star, está em conformidade com o Código Cooperativo – Decreto-Lei n.º 51/96, de 07 de Setembro", elucida o responsável.

Contactado, Arons de Carvalho, vice-presidente da ERC, esclarece que "não deu entrada pedido algum de autorização para o novo canal". Não obstante, acrescenta, "estes processos são relativamente céleres desde que os dossiês entregues estejam completos". Logo, por enquanto, não se pode falar "em atraso". A documentação terá sido enviada dia 17 de Maio, por correio registado.

Fonte: M&P

1 comentário:

  1. ESTE CANAL VAI SER PURO LIXO, À SEMELHANÇA DE OUTROS QUE PASSARAM PELO CABO, E QUE JÁ ACABARAM MESMO... BASTA VER QUEM ESTÁ À FRENTE DESTE PROJECTO, UMA PESSOA COM MUITO POUCAS RESPONSABILIDADES E MUITO FRACA NO SECTOR... QUALIDADE = ZERO,,, VAI ACABAR TÃO RAPIDAMENTE COMO COMEÇOU... E A MEO ANDA NUMA DE CRIAR CANAIS QUE NÃO VALEM NADINHA....

    ResponderEliminar

MEO
NOS
TDT
Comentários
Comentários