Os donos da Cabovisão estão a contactar operadoras e fundos nacionais e internacionais para vender a sua operação em Portugal, avançaram à agência Lusa fontes do mercado.

«A Cabovisão enviou cartas a alguns operadores e fundos a manifestar a sua intenção de ser comprada e sondando quem poderá estar interessado», disse uma das fontes contactadas pela Lusa. A mesma fonte afirmou que ainda não há preços, mas negociações no caso dos interessados.

No mesmo sentido, outra fonte do mercado adiantou que o «processo não é de agora, já teve início no verão, mas já está em fase avançada». A mesma fonte acrescentou ainda que os maiores interessados são «fundos e private equities internacionais».

Contudo, questionada pela Lusa sobre o assunto, a directora executiva da Cabovisão, Daniela Antão, diz que «não comenta rumores». Igual posição defendeu a Cogeco Cable, a quarta maior operadora canadiana que controla a Cabovisão desde 2006, ao afirmar que não tem por hábito reagir a rumores do mercado.

Liderada desde Dezembro de 2009 por Martinho Tojo, a Cabovisão foi, a par da Sonaecom, uma das operadoras mais penalizadas com o maior ambiente concorrencial decorrente do spin-off da PTM [que deu origem à ZON] da casa-mãe Portugal Telecom (PT) em 2007. Viria também a enfrentar um novo adversário, o Meo da PT.

Com mais de 600 colaboradores, na sede em Palmela e nas 19 lojas, a Cabovisão tem vindo a perder clientes com impactos nos resultados financeiros da empresa.

No site da Cabovisão, a operadora lembra que iniciou actividade em 1993, com perto de 900 mil casas cabladas e mais de 800 mil serviços de telefone fixo, televisão por cabo e internet de banda larga activos em clientes.

«Com licenças para fornecer serviço de televisão por cabo a mais de 90% dos lares nacionais e serviços de internet e de telefone fixo a todo o território nacional, a Cabovisão apostou no desenvolvimento regional de Portugal, disponibilizando serviços de telecomunicações onde outros operadores não o fizeram», lê-se ainda na página de internet.

Depois da AR Telecom, a Cabovisão poderá ser mais uma vítima da concorrência no sector.

No dia 10 deste mês, vários meios de comunicação social noticiaram que o serviço de apoio a clientes da Ar Telecom estaria a aconselhar os clientes residenciais a optar pela ZON, uma vez que a empresa ia deixar de prestar serviços no final do mês a este segmento.

A AR Telecom tinha anunciado na quarta-feira que o negócio iria focar-se apenas no segmento empresarial. 

Fonte: TVI 24

Categorias:

13 comentários:

  1. Para quem não quiser esperar aqui está a fonte: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/empresas/cabovisao-televisao-agencia-financeira-media-cabo/1301899-1728.html

    ResponderEliminar
  2. Não sei porquê, mas tenho um pressentimento que a ZON vai comprar a Cabovisão.

    Não sei...

    ResponderEliminar
  3. tb eu

    senao mais vale acabarem e fazer como a AR Telecom

    ResponderEliminar
  4. Canal partilhado levanta dúvidas
    Televisões criticam modelo da TDT

    RTP, SIC e TVI estão unidas nas criticas ao modelo da Televisão Digital Terrestre (TDT) em Portugal que, a 12 de Janeiro, vai chegar a todo o Litoral do País.

    No congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações, José Marquitos, vice-presidente da RTP, adiantou que “é urgente esclarecer a história do tal canal de partilha dos três operadores”, referindo-se a uma estação que deverá emitir conteúdos em alta definição da RTP, SIC e TVI. “Não tem modelo de negócio”, disse Marquitos.

    Critico é também Francisco Pinto Balsemão, que considera que o “tal canal é difícil de concretizar”. Além disso, diz que os operadores “reclamam” uma parte do dividendo digital, já que com a passagem do analógico para a TDT há espaço que os canais generalistas utilizavam e que agora fica livre.

    Miguel Pais do Amaral, presidente da Media Capital, dona da TVI, sublinha que a introdução da TDT em Portugal foi “uma oportunidade perdida” para as televisões generalistas, que podiam ter aumentado a oferta com o lançamento de outros canais em aberto ou com estações pagas.

    Sobre uma possível convergência entre empresas de Media e de telecomunicações as opiniões dividiram-se. Enquanto que o responsável da dona da TVI diz que “não é um drama se existir, mas também não é uma necessidade” que exista, Balsemão é claramente contra: “Quem produz conteúdos produz conteúdos, quem distribui conteúdos distribui. Cada macaco no seu galho”, afirmou.

    http://www.destakes.com/redir/d313878b302e48f4ae06d0126fbe2b2f

    ResponderEliminar
  5. marco_viseu23/11/11, 23:37

    Quem havia de comprar a Cabovisao era o Australiano Robert Murdoch e transformala numa SKY Portugal tambem por sat claro...hehehe , desculpem la , estava apenas a sonhar alto.lol

    ResponderEliminar
  6. Zon seria a unica possivel interessada porque juntavam.se os cabos.
    Operadores de FTTH, PT, Sonae e Vodafone, não vão se interessar.
    Mas a Zon não deve ter dinheiro para tal.
    Mas o fim da Cabovisão, em muitas zonas, seria o fim do serviço 3Play, certas zonas só existe mesmo Cabovisão em 3Play.

    ResponderEliminar
  7. zon seria impossível devido às regras da concorrência... Depois do precedente ao vetar a OPA da soanecom à pt teria que vetar esse negócio... Para os operadores FTTH como a soanecom e a vodafone, até seria interessante por a estrutura de fibra da cabovisão serviria para acelerar a expansão das suas redes de fibra... Mas duvido que estejam dispostas a fazer esse investimento na actual conjuntura económica...
    Por isto tudo a hipótese dos fundos de investimento parece-me a mais provável...

    ResponderEliminar
  8. Bruxelas ameaça levar Portugal a Tribunal

    A Comissão Europeia ameaçou hoje levar a tribunal 16 Estados-membros, entre os quais Portugal, por ainda não terem transposto integralmente para o direito nacional as novas regras da União Europeia para as telecomunicações, prejudicando assim os consumidores.
    Destak/Lusa | destak@destak.pt

    O executivo comunitário apontou hoje que, seis meses após o prazo estabelecido, 25 de maio de 2011, 16 dos 27 Estados-membros ainda não aplicam integralmente as novas regras que conferem aos consumidores da UE novos direitos relativos aos serviços de telefonia fixa e de comunicações móveis e ao acesso à internet.

    Em causa estão duas novas diretivas (leis comunitárias) – “Legislar Melhor” e “Direitos dos Cidadãos” -, que em conjunto alteram outras cinco ainda em vigor e que consagram, por exemplo, o direito de mudar de operador de telecomunicações em 24 horas sem mudar de número de telefone e o direito a informações claras sobre as práticas de gestão do tráfego de dados seguidas pelos fornecedores de acesso à Internet.

    Apontando que “a transposição parcial das regras da UE para as telecomunicações limita os direitos dos consumidores nestes 16 Estados-Membros”, Bruxelas adverte que os países incumpridores “podem ver os respetivos processos submetidos ao Tribunal de Justiça da UE e vir a sofrer eventuais sanções pecuniárias”.

    Além de Portugal, estão ainda em falta Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Eslovénia, Espanha, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Polónia, República Checa e Roménia.

    http://www.destakes.com/redir/bc4a480474d73bc30c5bdf694204d1b9

    ResponderEliminar
  9. essas dos fundos de investimento é que não sei o que é



    alguem que explique??????

    ResponderEliminar
  10. Tudo indica que sera a warner brother's (conhecida por warner bros) a comprar a cabovisao. como ja esta veiculado no site da warner bros internacional em : www.warnerbros.com

    ResponderEliminar
  11. Não vi, onde está ? Nesse site não vejo nada .

    ResponderEliminar
  12. Caro Tiago,

    As informações já foram publicadas. Muito Obrigado.

    ResponderEliminar

MEO
NOS
TDT
Comentários
Comentários