Rodrigo Costa quer igualdade de tratamento entre as operadoras de televisão por cabo e as empresas de conteúdos na Internet, como a Google.

O enquadramento fiscal e regulatório das telecomunicações deveria ser alterado, de forma a proteger as operadoras da concorrência de empresas como a Google, que distribuem conteúdos audiovisuais através da Internet sem que lhes sejam cobrados os impostos exigidos ao sector. Quem o diz é Rodrigo Costa, presidente-executivo da Zon, em entrevista ao Diário Económico.

"É um problema tremendo. Não podemos estar num negócio a criar emprego, a pagar impostos e a contribuir para fundos públicos de apoio ao cinema, quando ao lado temos empresas para quem estas obrigações não existem", justificou o gestor.

"Queremos igualdade de tratamento", acrescentou, explicando que "este é um problema mais europeu do que nacional". Por essa razão, Rodrigo Costa optou por levantar a questão num debate que ontem teve lugar no Cable Congress, a reunião anual das operadoras de televisão por cabo europeias, que decorre até hoje na cidade suíça de Lucerna. "É um tema adequado a este fórum, de forma a sensibilizar as autoridades europeias", realçou.

Fonte: Económico

Categorias:

Sem comentários:

MEO
NOS
TDT
Comentários
Comentários